sábado, 28 de novembro de 2015

Nonato e seu Conjunto

 Uma Praça para o Maestro Nonato… Uma Praça para a Cohama.

A praça da Cohama – “Praça da Caixa D’água” – é um dos lugares mais agradáveis do bairro. Lugar em que os moradores se encontram todos os dias para colocarem os papos em dia, envolta aos jardins. É, pois, a identidade desse bairro. Batizada, inicialmente por iniciativa da Associação Comunitária da Cohama, como Praça Ver. Raimundo Silva, a Praça da Cohama nunca se identificou verdadeiramente com este nome. Os próprios moradores sempre foram contrários a uma denominação que não levasse em consideração a história do bairro e, claro, a história de sua gente. Quem foi o Vereador Raimundo Silva? Qual a sua história? O que ele tem de comum à comunidade?
Cresce entre os moradores a vontade de mudar o nome da Praça da Cohama. Uma mudança que seria, na verdade, uma homenagem a um ex-morador ilustre, reconhecido em todo o país, que morou grande parte de sua vida em uma casa em frente a praça e fez, dessa casa, seu lugar de trabalho – Maestro Raimundo Nonato, conhecido como “Maestro Nonato”.
Sobre o Maestro:
Perfil
Iniciou-se na música com seu pai Patrício Eugenio de Araújo. Seu primeiro instrumento foi uma harmônica, com a qual tocava, todos os domingos, na igreja matriz de sua cidade natal, Itapecuru-Mirim. Seu primeiro instrumento de sopro foi o baixo tuba.
Depois experimentou o sax, a clarineta, o trompete, o violão e outros. Entrou no cenário musical na década de 50, mas a carreira artística foi iniciada somente na década de 60.
Sua vinda para São Luís ocorreu no ano de 1958, e, em 1959, reunindo-se com um grupo de estudantes dos colégios Liceu, Ateneu e Maristas, fundou o grupo musical “Os Colegiais”, que tocava, geralmente, nos bailes de formatura estudantis. O grupo sobreviveu somente um ano, mas foi o suficiente para alimentar o gosto pela música em São Luís.
Posteriormente, em 1963, fundou o grupo “Nonato e seu Conjunto”, que participou ativamente, por cerca de 20 anos, da produção musical maranhense. Em 1982, o grupo foi desfeito e o maestro Nonato passou a atuar em um estúdio de gravações, pioneiro na cidade.
Em 1982, o grupo desfeito e o maestro Nonanto passou a atuar em um estúdio de gravações, pioneiro na cidade. Faz parte do Conselho Regional da Ordem dos Músicos do Brasil, no Maranhão.
Informações do perfil são do site Amigos do Musa.
nonato B
O Maestro já foi homenageado em São José de Ribamar…
Nome do Maestro Nonato se eterniza em escola de música de São José de Ribamar
Por Cláudio Moraes
Ter, 09 de Novembro de 2010 19:57
Falecido no mês de setembro, o músico e maestro Raimundo Nonato Rodrigues de Araújo, professor aposentado do antigo CEFET – e um dos grandes ícones da música popular maranhense –  recebeu, na sexta (05), uma homenagem póstuma no município de São José de Ribamar.
Na ocasião, o prefeito Luis Fernando sancionou a lei que modificou o nome da Escola de Música da cidade balneária para Escola Municipal de Música Maestro Nonato. O coordenador de Comunicação e Eventos do Instituto Federal do Maranhão, Marlon Botão, representou o reitor José Ferreira Costa no evento. “Trazemos a mensagem de parabéns do reitor José Costa ao prefeito de Ribamar por essa justa homenagem ao nosso grande maestro Nonato, que se dedicou em todos os seus momentos ao estudo e ao ensino da música”, afirmou Botão.
“Meu pai amava o que fazia e a sua maior tristeza era se afastar do ambiente musical”, afirmou a filha Ana Teresa que se manifestou em nome dos familiares. A viúva do maestro, Tereza Correa, funcionária do IFMA lotada no campus Monte Castelo, recebeu a placa com a mensagem de homenagem póstuma ao grande músico maranhense.
“Nonato esteve presente na vida de todos os músicos que viveram intensamente a música na década de 70 e ele estará em nossos corações para sempre. Tenho certeza de que ele foi muito bem acolhido no céu de onde ele irá transportar muitas luzes para todos”, afirmou o prefeito Luis Fernando. “São José de Ribamar nunca mais será a mesma após a implantação dessa casa de cultura que produz riquezas espirituais”, concluiu.
O evento contou com participação do secretário estadual de cultura, Luiz Bulcão, do presidente em exercício da Academia Maranhense de Letras, Benedito Buzar, de secretários e vereadores do município e de grandes nomes da música como João Pedro Borges, Oberdan Oliveira, Fátima Passarinho, Cláudio Pinheiro, Beto Pereira e do cantador Donato do Boi de Axixá que ainda encontrou forças para entoar “Minha bela mocidade” (foto abaixo à esquerda).
Ua vasta programação cultural se seguiu com recitais; show de orquestras e de grupos musicais; além das apresentações de vários cantores e bandas maranhenses (Choro Pungado; Jair Torres Trio; Aranha Trio; Rinaldi Clayton Trio; Banda Máquina do Tempo e amigos do Maestro Nonato).
Estamos mais do que na torcida, estamos na luta para dar uma identidade ao lugar que amamos. Uma identidade justa e merecida!

Do blog do Tatá

Um comentário:

sérgio felipe Melo disse...

Deputado Estadual;
Vereador;
Presidente da Câmara;
Presidente da Federação Maranhense de Futebol;
Presidente do Maranhão Atletico Clube...

Respondi a sua pergunta?