quinta-feira, 2 de junho de 2011

Líder Nordeste é aberto em solenidade no Hotel Luzeiros

Líder Nordeste é aberto em solenidade no Hotel Luzeiros


Foi aberta oficialmente ontem, no Hotel Luzeiros, em São Luís, a quarta edição do Conaje/Líder Nordeste. A solenidade reuniu jovens empreendedores de todo o país, representantes do governo e prefeitura, além de investidores. O tema deste ano é "Empreendedorismo 2.0: o empreendedor sustentável" e, segundo o presidente da Confederação Nacional dos Jovens Empresários (Conaje), Marduk Duarte, o primeiro dia de atividades já mostrou o sucesso do evento.

“Durante a manhã, promovemos uma rodada de negócios na Federação das Indústrias do Maranhão [Fiema], onde reunimos mais de 40 empresários de todo o país, que expuseram seus negócios e firmaram compromissos de investimentos futuros no estado”, destacou.

O presidente da Associação de Jovens Empresários do Maranhão (AJE/MA), Rafael Sombra, lembrou na abertura do evento que a escolha de São Luís como sede foi unânime por parte dos associados da confederação em todo o país. “A nossa responsabilidade é dar ao Maranhão as condições necessárias para um crescimento equilibrado, justo e sustentável em que prevaleça o estimulo ao jovem empreendedor e seja promovida a troca de experiências em futuros negócios”, assinalou Rafael Sombra.

A solenidade teve a presença do chefe da Casa Civil, Luis Fernando Silva, representando a governadora Roseana Sarney. “O jovem mostra estar antenado com o crescimento do Maranhão. Eles sabem que podem e devem ser os protagonistas deste momento em que o estado é alvo de grandes investidores. Com o programa Maranhão Profissional o estado deve atrair mais R$ 100 bilhões em investimentos”, disse Luís Fernando.

O empresariado local também se mostrou empolgado com o circuito de investimentos no Maranhão. O diretor da Escola de Negócios Excellence (ENE), Ricardo Carreira, avaliou que um evento do porte do Líder Nordeste é pontual para o jovem empresariado no Maranhão. “O evento deve criar resultados positivos e concretos para futuros negócios. Pouco a pouco, São Luís começa a fazer parte do circuito de grandes negócios em todo o país e até internacionalmente”, destacou Carreira.

Palestra – Todos os convidados aguardaram ansiosos a palestra do prefeito de Rio do Sul (SC), Milton Hobus, com o tema "Caso de sucesso especial: líder político empreendedor". O prefeito foi pioneiro na inserção no currículo escolar das escolas públicas do ensino médio, a disciplina de empreendedorismo. “Em 2005 iniciamos este trabalho de levar aos jovens que estão prestes a entrar no mercado de trabalho a disciplina Empreendedorismo e, hoje, o resultado é a considerável diminuição da evasão escolar e o regime integral de ensino em todas as escolas públicas de Santa Catarina”, destacou.

Durante a palestra, Milton Hobus lembrou que os gestores públicos devem ter a preocupação em formar lideres, por isso, o primeiro passo é a vontade política. “Vontade política é o primeiro passo para o desenvolvimento do jovem”, completou.

Secretaria de Trabalho inaugura Sine em Bacabeira

Secretaria de Trabalho inaugura Sine em Bacabeira


SÃO LUÍS - Foi entregue à população, nesta quinta-feira (02), a Agência de Trabalho do Sine no município de Bacabeira. Esta é a 14ª agência do Sine em funcionamento no Maranhão, numa busca pelo desenvolvimento pleno das políticas de trabalho, emprego e renda por meio do serviço de intermediação de mão-de-obra para o trabalho, dentre outros.

A agência realizará o atendimento a trabalhadores e empregadores da região do Munim e é responsável por atender à demanda de contratações no município decorrente dos empreendimentos que estão se instalando na região, entre os quais a refinaria da Petrobrás e a fábrica de dormentes ferroviários, que estão sendo construídos em Bacabeira.

Uma das grandes expectativas da agência é a abertura da chamada "janela de contratação" do histograma das obras da refinaria, que está programada para o mês de junho. Segundo Roberto Porto, diretor de contrato do Consórcio GSF, responsável pela primeira fase de construção da Premium I, as contratações para o período sem chuvas estão previstas no calendário das obras. "Até o início de julho devemos estar com nossas vagas, para este período seco, já preenchidas" informou.



De acordo com o secretário de Trabalho, José Antônio Heluy, o crescimento da região de Bacabeira será traduzido em melhorias para sua população. “A instalação da Agência de Trabalho do Sine atende às novas necessidades que surgiram com a vinda dos muitos projetos para a área", observou.



Inauguração



A inauguração teve início com a apresentação da Banda Marcial de Santa Rita e contou com a participação do prefeito de Bacabeira, José Venâncio Correa Filho; a coordenadora de Responsabilidade Social da Petrobrás, Dalva Luíza Braga, representando a empresa; representantes do Consórcio GSF; do secretário de Articulação Institucional, Rodrigo Comerciário, além de autoridades locais e representantes das prefeituras dos municípios da Região do Munim.

José Antônio Heluy ressaltou a importância de manter parcerias entre as instituições, sejam elas privadas ou governamentais. "A concretização da Agência do Sine em Bacabeira nasceu da articulação entre o Governo do Estado, através da Secretaria de Trabalho, da Prefeitura de Bacabeira e do Consórcio GSF", explicou. "A ação resultou de necessidades comuns que se agregaram e que deram certo", ressaltou Heluy.

O prefeito Venancinho destacou a necessidade de qualificação e contratação da mão-de-obra local. "Nosso município quer que o progresso também chegue aos nossos cidadãos", justificou.

A Agência de Trabalho do Sine de Bacabeira já começa a funcionar normalmente nesta sexta-feira (03), com atendimento ao trabalhador das 08h às 14h, oferecendo os serviços de intermediação de mão-de-obra, seguro-desemprego e em breve, emissão de carteiras de trabalho.

As informações são da Secom do Estado.

Segunda Base Naval brasileira ficará sediada em SLZ




Base Naval de São Luís terá porta-aviões, submarinos e caças
 

Com base em estudos realizados pela Marinha do Brasil, São Luís do Maranhão, deverá sediar a única Base Naval Norte/Nordeste (o Brasil só tem uma no RJ). E ficará localizada
na Ponta da Espera, na Baía de São Marcos, em São Luís.
 

Dados sobre esse estudo:
  • A boa Estrutura portuária da Baía de São Marcos
  • Grande variação de marés - Porto do Itaqui
  • Ótimas condições de navegabilidade
  • Características do Litoral - Reentrâncias
  • Segunda maior profundidade do canal marítimo do mundo
  • Condições propícias para operar 24 horas por dia
  • Proximidade com o Projeto Amazônia (Azul)

Qual a estrutura dessa Base Naval?
  • 6 mil militares (12 mil pessoas virão morar em São Luís)
  • 1 Navio Porta-Aviões
  • 1 Navio de múltiplas tarefas (Heliporto)
  • 1 Barco para socorro de submarino
  • 1 Rebocador de alto mar
  • 2 Navios de apoio a operações anfíbias
  • 36 Novos Helicópteros
  • 24 Aviões Militares de Interceptação e Ataque (Caças)
  • 4 Aviões de Alarme Aéreo Antecipado
  • 4 Aviões de Transporte e Reabastecimento em Vôo
  • 4 Aviões de Vigilância Marítima com Radar
  • 4 Submarinos Convencionais
  • Submarino de Propulsão nuclear
  • Corpo de fuzileiros navais
  • Sivam do Mar - Centro de Operações Navais
  • Radares de Longo Alcance
  • 10 veículos aéreos não tripulados (VANTs)

Qual a finalidade dessa Base Naval? Cobrir a Amazônia Azul e Proteger o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA)
No que a instalação dessa Base Naval em São Luís, irá favorecer ao estado do Maranhão?
  • Infraestrutura - Atrair grandes investimentos de ordem industrial no Maranhão
  • Aquecimento do setor da construção civil - em função das instalações militares
  • Incentivo a criação de centros de desenvolvimento tecnológico
  • Aumento de empregos e cursos de nível médio e superior na área de engenharia naval
  • Implantação de estaleiros navais para construção e manutenção de navios militares
  • Aumento da demanda de energia, combustíveis e suprimentos para o complexo naval. (com Portal Kamaleão)

Do blog Dom Severino

Apresentação do humor: ''A Gaiola das Loucas''

Apresentação do humor: ''A Gaiola das Loucas''
Jornal O Estado do Maranhão

Divulgação
ampliar

imirante.com

Uma das produções teatrais mais aplaudidas do país, o musical “A Gaiola das Loucas” chega a São Luís para quatro apresentações. Estrelada por Diogo Vilela e Miguel Falabella, que também dirige o espetáculo, a comédia estreia em São Luís hoje (2), às 21h, no Teatro Arthur Azevedo (TAA) e fica em cartaz até domingo. Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria do TAA, das 14h às 18h30.
O espetáculo é baseado na comédia “La cage aux folies“, no original, escrita pelo francês Jean Poiret. Estreada em 1973, a peça ganhou diversas versões interpretadas por grandes companhias teatrais no mundo todo. No cinema, a versão americana de 1996, com Robin Williams e Gene Hackman, e a italiana de 1978, com Ugo Tognazzi e Michel Serraul, tornaram-se inesquecíveis. “Com certeza, apesar da peça ter estreado em 1973, os temas são atuais e o humor dado aos personagens faz com que a Gaiola das Loucas se torne uma peça atemporal”, disse Miguel Falabella a O Estado.
A versão brasileira impressiona com sua troca de figurino, cenário e efeitos visuais. A superprodução conta com 40 trocas de cenários, 300 figurinos, 100 perucas e 350 mudanças de luzes, cinco painéis de leds e muitos números de dança.
No musical, Falabella representa Georges, proprietário do cabaré “A Gaiola das Loucas”, em Saint Tropez, que tem como atração números de transformistas. Abrilhantada por Diogo Vilela, a vedete da casa é Zazá que, quando personifica seu lado masculino, transforma-se em Albin, com quem Georges mantém uma relação estável de duas décadas.

Conflito -A história caminha bem até que o filho do casal, Jean Michel – fruto de um relacionamento heterossexual de Georges com uma corista do Lido de Paris, que não quis criar a criança – conta aos pais a avassaladora notícia de que vai se casar. Mas ele tem de apresentar a família nada tradicional ao sogro, Edouard Dieulafoi, presidente do PFTM, o Partido da Família, Tradição e Moralidade. Uma das promessas de campanha do político, caso seja eleito, é banir os homossexuais da Riviera francesa. A farsa se constrói com muito humor e excepcional dramaturgia.
No teatro, o público pode esperar um Falabella ainda bastante vinculado ao personagem Caco Antibes do programa humorístico da TV Globo, “Sai de baixo”. O formato da produção televisiva que estimulava a interação dos atores com a plateia tem possibilidade de entrar em cena no Arthur Azevedo. Quem for assistir ao espetáculo deve preparar-se para possivelmente interagir com alguma uma piada proferida no palco.
Ousadia - A produção é apontada como uma das mais ousadas, criativas e inusitadas dos últimos anos. O musical tem um elenco de 25 atores, cantores e bailarinos, selecionados entre mais de 1.000 candidatos de diversas localidades do país.
O trabalho envolve uma equipe de mais de 120 profissionais. Os números coreográficos são assinados pelo americano Chet Walker e pela coreógrafa associada, Fernanda Chamma, com direção musical e adaptação de Carlos Bauzys e uma orquestra de 14 músicos.
Serviço
• O quê
“A Gaiola das Loucas”
• Quando
Hoje (2), amanhã (3) e sábado (4), às 21h, e domingo (5), às 19
• Onde
Teatro Arthur Azevedo (TAA)
• Ingressos
Platéia R$ 120,00
Frisa e Camarote
R$ 100,00
Balcão e Galeria R$ 80,00
• Venda
Bilheteria do teatro, das 14 às 18h30
• Classificação
12 anos
• Duração
90 minutos (com 15 minutos de intervalo)
• Gênero
Comédia
• Realização
Moraes Jr. Produções

Beija-Flor faz grande festa para apresentar o enredo ''São Luís - o poema encantado do Maranhão''



Grupo Especial
Por: Rodrigo Coutinho e Vicente Almeida

Depois de abocanhar o 12º título de sua história, a Beija-Flor começou a preparação para o próximo carnaval de forma arrebatadora. Com grande festa realizada em sua quadra na noite desta quarta-feira, a agremiação de Nilópolis apresentou o enredo ''São Luís - o poema encantado do Maranhão'' , que de acordo com a sinopse lida no palco pelos membros da comissão de carnaval, Bira e Victor Santos, e a explicação do diretor de carnaval, Laíla, apresentará de maneira mística a história da capital maranhense.

Com portas abertas para a comunidade, a quadra da Beija-Flor recebeu bom público, que pôde acompanhar um pouco da cultura de São Luís através da apresentação dos grupos folclóricos maranhenses Boi Barrica e Santa Fé. Além da apresentação dos maranhenses, uma grande roda com cânticos em homenagem a todos os orixás e aos pretos-velhos emocionou os presentes, que estavam com velas e palmas nas mãos e deram início a uma pequena procissão dentro da quadra em direção à imagem de São Jorge.

De acordo com Laíla, a iniciativa tem como objetivo abrir os caminhos para mais um grande carnaval da escola de Nilópolis. No palco da quadra, o diretor de carnaval falou aos que reprimem essas manifestações religiosas dentro da escola.
- A Beija-Flor é escola de macumbeiro mesmo. Eu sou macumbeiro. O nosso lema é pregar a paz e o respeito. Hoje pedimos licença e proteção aos orixás. Não adianta as pessoas nos reprimirem e torcerem o nariz. O nosso barracão não pega fogo! Tem escola que só pensa em fazer carnaval e não lembra de cuidar da parte espiritual. Na Beija-Flor temos muito respeito com isso – declarou Laíla.
O diretor de carnaval ainda lançou o novo slogan da escola: ''A paz reina em nossa tribo''. E explicou o que pediu aos membros da comissão de carnaval na elaboração da sinopse do enredo.
- Nós buscamos desenvolver na sinopse aquilo que vimos e sentimos no Maranhão, dando um conceito artístico ao tema. A orientação era explorar a originalidade do Maranhão. Vamos melhorar o nível do nosso desfile.
Já Victor Santos, que integra a comissão de carnaval ao lado de Fran Sérgio, Bira e André Cezari, deu mais detalhes do desenvolvimento do tema. Ele adiantou que Joãosinho Trinta, natural da capital maranhense, ganhará homenagem especial.
- Nós vamos apresentar como a cidade foi fundada, os primeiros povos que habitaram São Luís, mas tudo isso de uma maneira encantada, mística, mágica. Depois vamos passando pela história do lugar até chegar na São Luís de hoje. Vamos falar da riqueza da bauxita, da cidade que prospera, que cresce e se desenvolve, mas a base é o misticismo. O Joãosinho Trinta terá um lugar todo especial. É uma figura que faz parte da história da Beija-Flor, além de ser maranhense. Ele simboliza como poucos o mistério e o encanto que o Maranhão tem – disse Victor.



A cantora Rita Ribeiro, natural de São Luís, e o técnico do Flamengo, Vanderlei Luxemburgo, também estiveram presentes na quadra da Beija-Flor. Assim como integrantes do governo maranhense, que representaram a governadora do estado, Roseana Sarney, ausente em razão de compromissos profissionais. Mesmo distante, Roseana foi homenageada com um 'Parabéns pra você', cantado por toda a quadra. A governadora completou 48 anos nesta quarta-feira.


O secretário de Cultura maranhense, Luis Bulcão, discursou no palco em texto que fazia uma analogia com a grandeza da Beija-Flor e as tradições do Maranhão. Já o secretário de Turismo do estado, Tadeu Palácio, explicou que o próprio governo maranhense escolheu a Beija-Flor de Nilópolis para dar início a um importante ano para São Luís.
- A governadora Roseana Sarney decidiu procurar a Beija-Flor para dar início a um grande ano de nossa história. Em 2012, a cidade de São Luís completará quatro séculos e a Beija-Flor é sensacional para dar a devida divulgação e visibilidade para isso. É a escola que melhor representa seus enredos. Os integrantes da Beija-Flor foram ao Maranhão conhecer tudo aquilo que o nosso folclore tem de interessante. Eles gostaram e vão fazer esse enredo. Eu não tenho dúvida que a Beija-Flor vai fazer mais um grande carnaval. De um jeito que nunca ninguém fez.
Tadeu Palácio confirmou também que o governo do Maranhão irá destinar uma verba de patrocínio para a escola, mas não soube precisar o valor. Ele aposta que o Maranhão terá uma nova imagem após ser mostrado pela Beija-Flor na Sapucaí.



- O Maranhão tem um povo que precisa ser mostrado. Ele se assemelha muito ao carioca. Sabe acolher e abraçar. Tenho certeza que esse desfile será um marco na história do nosso estado. Obviamente vamos dar o aporte financeiro possível em lei para a Beija-Flor. Não é um patrocínio para uma brincadeira. É um investimento importante para o nosso estado. Tudo tem um custo – disse o secretário, que revelou não ter dúvida que a governadora vai desfilar na Beija-Flor em 2012.
Outra novidade anunciada por Laíla foi a maior participação dos responsáveis pela decoração dos carros alegóricos na confecção das alegorias e fantasias. O diretor de carnaval revelou que dará mais liberdade para os profissionais opinarem no desenvolvimento do enredo.



Os sambas concorrentes para o Carnaval 2012 já tem data para serem entregues na quadra da escola. Será o dia 1º de agosto, na mesma semana, de acordo com Laíla, começam as eliminatórias. 

Veja vídeo da festa de apresentação do enredo da Beija-Flor:



quarta-feira, 1 de junho de 2011

São Luís vai descobrir o que Teresina tem.

 
Olha aí!




Secretário Alexandre Magalhães: apresentando aos maranhenses o que Teresina tem de melhor para o turista ver

Workshop

O Secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo de Teresina, Alexandre Magalhães e o Coordenador Municipal de Turismo Filomeno Montanha estão à frente do workshop que vai divulgar o turismo de Teresina na cidade de São Luis (MA).
O evento acontece na capital maranhense entre os dias 2 a 5 de junho.

Hotéis
Além da Prefeitura de Teresina, participam do workshop oito hotéis da cidade e uma agência de Turismo.

Lançamento do Guaraná Jesus Zero Caloria ocorre nesta quinta-feira

Posted by Maurício Araya


i
Quantcast
SÃO LUÍS – Criado em 1920, pelo farmacêutico Jesus Norberto Gomes, o Guaraná Jesus se tornou o verdadeiro sabor do Maranhão. O guaraná cor-de-rosa, que chama a atenção de turistas que visitam o Estado, desta vez, preparou uma surpresa para os fãs do refrigerante: a versão “Zero Caloria”. A nova versão do Guaraná Jesus promete maior leveza, mantendo o sabor original que todo mundo já conhece. O lançamento do Guaraná Jesus Zero Caloria ocorre, em evento reservado a convidados, na noite desta quinta-feira (2), em São Luís. Vale a pena aguardar e descobrir o sabor mais leve e saudável do Guaraná Jesus.

O grupo espanhol Duro Felguera anunciou que construirá duas usinas termelétricas no Maranhão. Investimento previsto é de 113 milhões de euros.


Do G1:

Grupo espanhol faz parceria com MPX para instalar usinas no Brasil

Projetos serão executados no Maranhão, segundo grupo.
Investimento previsto é de 113 milhões de euros.


Moderno edificio que acogerá a unos 300 profesionales de alta cualificación de las oficinas técnicas e ingenierías de las divisiones de Energía y Plantas Industriales de Duro Felguera

Grupo espanhol faz parceria com MPX para instalar usinas no Brasil

Projetos serão executados no Maranhão, segundo grupo.
Investimento previsto é de 113 milhões de euros.

Da Reuters
O grupo espanhol Duro Felguera anunciou nesta terça-feira (31) que construirá duas usinas termelétricas no Brasil, no estado do Maranhão, por meio de joint-venture com a MPX, braço de energia elétrica do grupo EBX, do empresário Eike Batista. O investimento previsto é de 113 milhões de euros, segundo o grupo informou, por meio de nota.



A companhia afirmou que o acordo permitirá a entrada do grupo espanhol na área de geração de energia no Brasil, onde recentemente instalou dois terminais marítimos para transferência de gás natural para a Petrobras e onde "estão previstos importantes investimentos no setor de energia nos próximos anos".

133 navios atracaram nos portos da Ilha em maio

 

O Complexo Portuário de São Luís (CPSL), composto pelo Porto do Itaqui e os terminais de uso privativo (TUP) Alumar e Ponta da Madeira (Vale), registrou 133 navios atracados no mês de maio, de acordo com o sítio eletrônico da empresa de praticagem Pratimar, que monitora a movimentação nos portos da Ilha.

Até o fim da tarde de ontem, o Terminal Portuário Ponta da Madeira (TPPM) tinha registrado 53 navios atracados, enquanto o Porto do Itaqui registrou 52 navios. O TUP Alumar computou 26. A praticagem ainda registrou duas atracações no Porto Grande, um terminal pesqueiro desativado, localizado próximo ao Itaqui e que atualmente tem recebido embarcações de apoio marítimo (offshore).

O Itaqui teve uma movimentação maior do que o TPPM, em relação ao desempenho por atracadouro. O berço 104 do Itaqui, geralmente utilizado para operações com derivados de petróleo, registrou 19 atracações.

A segunda maior movimentação do Itaqui ocorreu no berço 106, utilizado geralmente para operações com derivados de petróleo, com 12 embarcações atendidas. Na sequência, ficaram os berços 102 (oito navios), 101 (sete) e 103 (seis). Esses três atracadouros são utilizados para operações com carga geral, contêineres e produtos agrícolas (fertilizantes e grãos).


Privativos - Dos TUP, Ponta da Madeira se destacou no período, com 53 atracações, sendo o Píer III/Sul o atracadouro de maior movimentação, com 18 embarcações, seguido do Píer III/Norte, com 16 cargueiros. O terminal da Vale também registrou 12 navios no Píer I e sete cargueiros no Píer II. Este último é localizado no Porto do Itaqui, que o denomina berço 105. A Vale opera, basicamente, minério de ferro e soja. No caso do TUP Alumar, foram atracados 15 navios no berço 2 e mais 11 no berço 1.

Em termos de desempenho, o Porto do Itaqui atendeu 1,67 navio/dia, o que dá uma média de 14,3 horas/navio. O TUP Alumar ficou com índice de 0,83 navio/dia, com média de estadia de 28,6 horas/navio. O TUP Ponta da Madeira registrou o desempenho de 1,7 navio/dia, com estadia média de 14 horas/navio. Quanto ao resultado global, o CPSL apresentou índice de atendimento de 4,29 navios/dia, com estadia média de 5,59 horas/navio.

terça-feira, 31 de maio de 2011

Frota de São Luís teve o 8º maior crescimento entre as capitais

Frota de São Luís teve o 8º maior crescimento entre as capitais


Wilson Lima
Da equipe de O Estado


A frota de veículos de São Luís teve o oitavo maior crescimento entre as 26 capitais brasileiras entre os anos de 2001 a 2009. Os dados constam no relatório de auditoria operacional do Tribunal de Contas da União (TCU), que avaliou problemas da mobilidade urbana em todo o Brasil.

O levantamento foi realizado com base em números do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e compreende de janeiro de 2001 a maio de 2009. Nesse período, a frota de veículos de São Luís teve elevação de 102%, passando de 99.759 para 201.702. Hoje, o número de veículos na capital maranhense chega a 261.046 unidades. O relatório envolve não somente as capitais mas as 58 cidades com mais de 400 mil habitantes.

Segundo o relatório do TCU, a capital brasileira que teve o maior crescimento de sua frota de veículos é Palmas (TO). Em oito anos, a frota de Palmas aumentou 239%, passando de 27 mil para 92 mil veículos. Macapá teve a segunda maior variação no período (160%). Em 2001, a capital do Amapá tinha 29 mil veículos e oito anos depois passou para 75 mil. Ainda nessa lista, aparece Porto Velho, com um aumento de 141% do número de veículos nas ruas. Na capital de Rondônia, a quantidade de automóveis nas ruas saltou de 50 mil para 121 mil em oito anos. "A frota de veículos no Brasil tem apresentado um crescimento contínuo ao longo dos anos e, com isso, causado uma elevada demanda por vias de circulação nas cidades", aponta o relatório to TCU.

Alerta - O documento ainda faz um alerta em relação à mobilidade urbana em todo o Brasil. "Os congestionamentos vêm surgindo nas cidades menores e se tornando crônicos nas grandes cidades. Além de causarem redução de produtividade por perda de tempo, provocam estresse e contribuem ainda mais para a poluição. Estudo realizado pelo Citigroup aponta que o trânsito gera uma perda de 5% na produtividade do Brasil, considerando o tempo que se gasta em viagens urbanas. Além disso, a cada hora de acréscimo em congestionamentos, tem-se uma média de aumento de 20% na emissão de poluentes".

Entre as 58 cidades com mais de 400 mil habitantes, o crescimento da frota de veículos em São Luís também é destaque. De 58 cidades, a capital maranhense teve a 14º maior variação do país. A cidade brasileira com mais de 400 mil habitantes que registrou a maior elevação de sua frota de veículos é Aparecida de Goiânia, município distante 19 km de Goiânia. Na cidade, segundo o TCU, o volume de automóveis nas ruas cresceu 247% no período. Passando de 37,5 mil para 129,77 mil em oito anos.

Na lista das 10 cidades brasileiras que tiveram a maior variação no número de veículos nas ruas aparecem municípios como Ananindeua (PA), Belfort Roxo (RJ), Serra (ES), Feira de Santana (BA) e Betim (MG). "Nas cidades de renda média mais alta, como no Sudeste e Sul do país, o automóvel particular atende grande parte das viagens motorizadas (50% delas, no caso da Região Metropolitana de São Paulo) (CMSP, 1997). Dados do IBGE e Denatran mostram que, em 2008, os municípios com mais de 100.000 habitantes (4,8% dos municípios brasileiros) concentram 69,9% da frota de automóveis do país. Isto demonstra que cidades maiores concentram maior índice de motorização", sentencia o relatório do TCU.

Teatro Arthur Azevedo comemora 194 anos

Teatro Arthur Azevedo comemora 194 anos


Misturando a magia do circo, do teatro, da música e dos malabares, os espetáculos internacionais “Out of Lines” e “Pequenas Peças” serão apresentados hoje por malabaristas-dançarinos da Companhia Sens Dessus-Dessous (França) no Teatro Arthur Azevedo (TAA), na Rua do Sol, Centro. O show começa às 20h e tem duração de 65 minutos. A entrada é franca com retirada de ingresso na bilheteria do teatro uma hora antes da apresentação (a partir das 19h). A Aliança Francesa é responsável por trazer a atração que homenageia o aniversário de 194 anos do TAA.

No palco, a dupla de malabaristas Jive Faury e Kim Huynh, dirigida por Lionel Vidal, faz da corda o objeto central dos números coreográficos da peça “Out of Lines”. Brincando com a imaginação dos espectadores, a manipulação das cordas cria formas inesperadas e personagens surpreendentes, criando um universo de ilusão. A coreografia dura 40 minutos.

O espetáculo “Pequenas peças” se situa entre a arte do malabarismo, da dança e do mimo. Trata-se de um conjunto de cinco peças curtas que, como ponto em comum, tem a linguagem poética traduzida pela arte da coreografia. Os solos refletem o trabalho da Companhia Sens Dessus-Dessous, caracterizado pela integração do movimento, do ilusionismo e da música. É uma mistura alegre onde dialogam a graça e a brincadeira da dupla Jive Faury e Kim Huynh. Um espetáculo cheio de poesia, ritmado pela manipulação dos acessórios de malabarismo. A apresentação dura aproximadamente 25 minutos e pode ser vista por pessoas de todas as idades.

No dia 21 deste mês, a Companhia Sens Dessus-Dessous dá aulas de malabares na oficina de formação às técnicas do novo circo, no Teatro Arthur Azevedo. O curso é oferecido para malabaristas-dançarinos já especializados nessa disciplina. A turma é limitada a 20 pessoas. Para mais detalhes, entrar em contato com o TAA: (98) 3218-9900.

A Companhia Sens Dessus-Dessous vai passar por 11 cidades brasileiras fazendo espetáculos e mostrando técnicas de circo e de teatro. São Luís é a terceira cidade a receber o grupo francês neste ano.


Artistas – Desde 2006, Kim Huynh e Jive Faury criam pequenos espetáculos de malabarismo com bolas, clavas e bastões. Em cada um, suas práticas malabarísticas se completam, dentro de uma proposta de trabalho sobre o movimento e a manipulação de objetos.

Formado em malabarismo, em artes circenses contemporâneas na escola de circo de Toulouse Le Lido e em dança Jive Faury integrou companhias de espetáculo vivo que misturam e fusionam diferentes formas artísticas, como Companhia Jérôme Thomas (malabarismo, dança), Companhia Les Apostrophés (manipulação de objetos), Companhia Carcara (teatro, música, artes visuais), conjunto FA7 (música contemporânea, artes visuais), Companhia Jean-François Zygel (música clássica, malabarismo dançado).

Kim Huynh é dançarina formada pelo Conservatório de Saint Denis e pratica a dança clássica desde seus 4 anos de idade. Desde 1995, tem se dedicado ao malabarismo.

O criador e diretor de iluminação de “Out of Lines”, Lionel Vidal, já participou de diversos espetáculos e companhias importantes, como Tiers-Théâtre em 2005 (Avignon 2005 para “Van der Monde” e “Tribulations”), seguidas de Music-Hall (Companhia Le Troupeau Dans le Crâne) e “A Casa de Bernarda Alba” (Companhia le Théâtre du Bout du Monde) e de muitos outros espetáculos (cerca de 15 com 8 companhias diferentes).

Um dos 16 teatros monumentos do país

Marco das artes cênicas no Maranhão, o Teatro Arthur Azevedo é o segundo construído e inaugurado no Brasil e um dos poucos daquele período que ainda estão em funcionamento. Por sua arquitetura, luxo e grandiosidade, é um dos 16 Teatros Monumentos do Brasil, obtendo o respeito e admiração da classe artística cênica (teatro, dança e circo) e de músicos e intérpretes como um templo da arte brasileira.

Construído por dois comerciantes portugueses, em estilo neoclássico, o teatro foi inaugurado em 1817, na Rua do Sol, próximo ao Largo do Carmo. A obra foi alvo de críticas por parte da igreja católica, naquela época, por ser localizado próximo a um templo sagrado da igreja e ser considerado uma casa de profanação, por propagar a arte, profissão rejeitada e discriminada na época.

194 anos do Teatro Arthur Azevedo terá espetáculo francês
Secom/Governo do Estado


SÃO LUÍS - Mais importante e imponente casa de espetáculos do Maranhão, o Teatro Arthur Azevedo (TAA) celebra mais um ano de arte, nesta quarta-feira (1º), quando completa 194 anos. Para marcar a data, o palco do TAA recebe espetáculos da companhia de malabaris francesa Sens Dessus-Dessous, trazido para São Luís pela Aliança Francesa, em viagem de turnê pelo Brasil.


Da França a São Luís, os espetáculos “Out of Line” (Fora das linhas) e “Petites piéces” (Pequenas Peças) serão apresentados às 20h, com entrada franca (os ingressos devem ser retirados na bilheteria do TAA uma hora antes da apresentação). São takes de 25 minutos, em “Petites piéces”, e de 40 minutos, em “Out of Line”, totalizando 65 minutos, apresentados pelo casal de atores franceses Jive Faury e Kim Huynh, ambos também malabaristas e dançarinas. Criação e direção de iluminação assinadas por Lionel Vidal.


“Out of Lines” usa 30 metros de corda, objeto central do espetáculo que busca explorar qualquer forma de malabarismo e de manipulação, sempre brincando com a imaginação do espectador. A montagem sugere personagens-cordas, tenta surpreender com formas inesperadas e criar a ilusão de um universo onde cordas duras e bastões moles se confundem. No palco, os dois malabaristas constroem um espaço infinito, que os convida a construir e desfazer, a tecer histórias, a inventar uma linguagem original e poética em torno da manipulação de objetos, do malabarismo coreográfico e da dança.


“Petites piéces” é um conjunto de cinco peças curtas, cinco solos. Todos refletem o trabalho da Companhia Sens Dessus-Dessous, caracterizado pela abertura a outros segmentos, como dança, ilusionismo e música. As Pequenas Peças têm como ponto em comum o fato de serem coreografadas e de utilizar uma linguagem poética que deixa entrar o imaginário do espectador. Situa-se entre a arte do malabarismo, da dança e do mimo.

Noites de São João na praça

Noites de São João na praça


O primeiro arraial junino em praça pública será aberto na noite de hoje, às 18h, na Praça Maria Aragão. Até o dia 3 de julho, 250 grupos folclóricos se apresentarão diariamente para o grande público no espaço ambientado que lembra um cenário de uma quermesse do interior brasileiro. As manifestações evoluirão sobre um tablado com dimensões maiores do que as do projeto do ano passado e os tambores ecoarão durante seis horas ininterruptas, de segunda a sexta-feira, e ao longo de sete horas, aos fins de semana.

O espetáculo de cores, ritmos e sotaques terá a participação de todas as danças típicas do São João do Maranhão durante 33 dias de festa, a exemplo de grupos de bumba-meu-boi, cacuriá, quadrilha, dança portuguesa, dança do boiadeiro, dança do coco e tambor de crioula.

Hoje, a fogueira vai acender para o Tambor de Crioula da Fé em Deus, Boi de Morros, Boi da Floresta e da Maioba. A primeira artista a se apresentar no palco será a cantora Eugênia Miranda. As apresentações terão início às 19h, logo após a solenidade de abertura.

“Já estaremos com parte da indumentária na apresentação de hoje. Estamos também com novas toadas e entoaremos também as toadas antológicas do grupo. Temos muitas apresentações agendadas para o São João deste ano”, disse José Inaldo, presidente do Boi da Maioba.

A programação atenderá ao público adulto e infantil. As crianças terão privilégios, principalmente aos sábados e domingos, quando poderão assistir a apresentações específicas para elas. Aos sábados, domingos e vésperas de feriado entrará em cena o tradicional ‘Barracão do Forró’, com os melhores grupos de forró pé-de-serra de São Luís.


Barracas – O Arraial da Maria Aragão agrega 29 barracas juninas onde são comercializados artesanato, bebidas e pratos com comidas típicas, entre arroz de cuxá, torta de camarão, arroz “Maria Isabel”, vatapá, canjica, cocada e mingau de milho, para citar alguns itens da culinária maranhense. Há espaço ainda para turistas, coordenado pela Secretaria Municipal de Turismo. Em uma das barracas, os visitantes receberão informações sobre a cidade e a cultura local. Os portadores de necessidades especiais também terão atendimento exclusivo, com conforto e visão privilegiada das atrações.

Além do Arraial da Praça Maria Aragão, a Fundação Municipal de Cultura apóia outros terreiros juninos comunitários espalhados pela cidade, com atrações artísticas e serviços: Arraial da Igreja de Santo Antônio (Centro), Igreja de Santo Antônio de Pádua (Cohajap), Vila Palmeira, entre outros.

Despedida do TREMA


Estou indo embora. Não há mais lugar para mim. Eu sou o trema. Você pode nunca ter reparado em mim, mas eu estava sempre ali, na Anhangüera, nos aqüíferos, nas lingüiças e seus trocadilhos por mais de quatrocentos e cinqüenta anos.
Mas os tempos mudaram. Inventaram uma tal de reforma ortográfica e eu simplesmente tô fora. Fui expulso pra sempre do dicionário. Seus ingratos! Isso é uma delinqüência de lingüistas grandiloqüentes!...
O resto dos pontos e o alfabeto não me deram o menor apoio... A letra U se disse aliviada porque vou finalmente sair de cima dela. Os dois pontos disseram que eu sou um preguiçoso que trabalha deitado enquanto ele fica em pé.
Até o cedilha foi a favor da minha expulsão, aquele C cagão que fica se passando por S e nunca tem coragem de iniciar uma palavra. E também tem aquele obeso do O e o anoréxico do I. Desesperado, tentei chamar o ponto final pra trabalharmos juntos, fazendo um bico de reticências, mas ele negou, sempre encerrando logo todas as discussões. Será que se deixar um topete moicano posso me passar por aspas?... A verdade é que estou fora de moda. Quem está na moda são os estrangeiros, é o K e o W, "Kkk" pra cá, "www" pra lá.
Até o jogo da velha, que ninguém nunca ligou, virou celebridade nesse tal de Twitter, que aliás, deveria se chamar TÜITER. Chega de argüição, mas estejam certos, seus moderninhos: haverá conseqüências! Chega de piadinhas dizendo que estou "tremendo" de medo. Tudo bem, vou-me embora da língua portuguesa. Foi bom enquanto durou. Vou para o alemão, lá eles adoram os tremas. E um dia vocês sentirão saudades. E não vão agüentar!...
Nós nos veremos nos livros antigos. Saio da língua para entrar na história.

Adeus,
Trema.

A nova cara da saúde no Maranhão…

Por Marco Deça


Novo aspecto do setor de emergência do Ipem

Equipamentos novos para a Maternidade Benedito Leite

São impressionantes os números do programa “Saúde é Vida” dois anos após sua implantação no governo Roseana Sarney (PMDB).
O balanço do programa foi apresentado hoje de manhã pelo secretário de Saúde, Ricardo Murad, em solenidade no Palácio Henrique de La Rocque.
E falam por si só.
Além do investimento direto nas unidades do estado, o governo investiu R$ 110.209.397,62 nas redes municipais de saúde.
- Este programa se antecipou em dois anos ao Governo Federal e, hoje, serve como uma luva à prioridade do governo Dilma (PT) no setor da saúde – afirmou o secretário.
Em 2009, eram apenas 9,9% da rede de atenção primária em condições mínimas de atendimento, “um caos completo”, como definiu Murad.


Em Paulino Neves e Presidente Vargas os hospitais estão prontos

As obras suspensas também foram exibidas pelo secretári: tansparência

Este índice mudou.

A média per capta repassada pelo SUS ao Maranhão, que era de R$ 98,59 em 2009, hoje chega a R$ 110,00. E a meta do governo é alcançar R$ 150,00.
- Em 2009, o estado tinha apenas 47% de cobertura na Média e Alta Complexidades. Hoje, em apenas dois anos, atingimos 86% de produção – revelou o secretário.
Durante a solenidade, Ricardo Murad entregou uma cartilha que mostra claramente a situação das obras de cada uma das 72 unidades hospitalares de urgência e emergência que estão sendo construídas, algumas já recebendo equipamentos.
Folheie aqui a revista “Saúde É Vida”
O detalhe é que a publicação não esconde dados. Mostra, inclusive, aquelas obras que tiveram problemas, muitas das quais tiveram os contratos de construção rescindidos.


O PAN Diamante terá atendimento de alta complexidade

A moderna UTI do Hospital Geral já está concluída

Segundo o secretário, novas licitações serão iniciadas a partir de julho.
Além dos hospitais do estado, serão mais 10 Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) construídas em parceria com o Governo Federal.
- Além disso, estamos reformando toda a rede. Hospitais como o Geral e o dos Servidores ganharão equipamentos de última geração – frisou o secretário.
Para a governadora Roseana Sarney (PMDB), presente ao evento, o investimento na saúde do Maranhão é um dos maiores do páís.
- Trata-se do maior programa em implantação do Brasil na área da Saúde – afirmou Roseana.
Os números mostram a razão de sua declaração.

Programa “Saúde é Vida”, do Governo do Estado, já investiu R$ 530 milhões em hospitais e UPAs

Programa “Saúde é Vida”, do Governo do Estado, já investiu R$ 530 milhões em hospitais e UPAs

Marco Aurélio D’Eça
Da editoria de Política

Um investimento de quase R$ 530 milhões no setor de saúde em dois anos. Este é o resultado do programa “Saúde é Vida”, do governo Roseana Sarney (PMDB), cujo balanço foi apresentado ontem, pelo secretário Ricardo Murad. Segundo ele, o Estado investiu R$ 418.480.000,00 em sua rede própria de hospitais e outros R$ 110.209.397,62 por meio das prefeituras.


“É o maior programa de investimento em saúde pública em andamento no país”, definiu a governadora, que presidiu a reunião no Palácio Henrique de La Rocque.

O programa apresenta números de peso em comparação à realidade do setor de saúde maranhense em 2009, quando foi lançado. Além dos números, das realizações e dos objetivos do “Saúde é Vida”, Ricardo Murad distribuiu revista com as obras de todos os 72 hospitais de 20 e 50 leitos que estão sendo construídos no estado, além das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) – construídas em parceria com o Governo Federal – e a reforma das principais unidades de saúde da rede estadual.

Entre os hospitais, oito já estão prontos – Afonso Cunha, Água Doce do Maranhão, Magalhães de Almeida, Morros, Paulino Neves, Presidente Vargas, Primeira Cruz e Santana do Maranhão, além do de Lago dos Rodrigues, inaugurado no fim de 2010 e já em pleno funcionamento.


Unidades - Das 10 UPAs, uma já foi inaugurada – Itaqui-Bacanga – e cinco estão prontas: Timon, Coroatá, São José de Ribamar, Imperatriz e Codó. “É um programa revolucionário que está mudando os alicerces da saúde no Maranhão”, ressaltou Murad.

Ele disse que antes do programa a situação do atendimento básico na área de saúde era crítica. “Um verdadeiro caos, que levou o Estado a fazer uma grande intervenção, com investimentos jamais vistos na história do Maranhão”, destacou.

Em 2009, eram apenas 9,9% da rede de atenção primária em condições mínimas de atendimento. “Um caos completo”, definiu Murad. “Não se pode aceitar este tipo de situação. Por isso, agimos”, completou o secretário.

Os investimentos chegaram a todos os setores. A média per capita repassada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) ao Maranhão, que era de R$ 98,59 em 2009, hoje chega a R$ 110,00. E a meta do governo é alcançar R$ 150,00. “Em 2009, o Estado tinha apenas 47% de cobertura na média e alta complexidades. Hoje, em apenas dois anos, atingimos 86% de produção”, revelou o secretário.


Complemento da matéria retirado de outras fontes

Hospitais e UPAs serão inaugurados a partir de julho

Hospitais e UPAs serão inaugurados a partir de julho



O Governo do Estado começa a inaugurar, a partir de julho, as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e alguns dos 72 hospitais de 20 e 50 leitos que estão sendo construídos no Maranhão. Ontem, durante a solenidade de balanço do programa “Saúde é Vida”, o secretário Ricardo Murad distribuiu uma revista com a situação da obra de cada um dos hospitais, das UPAs e das unidades de saúde reformados pelo estado na capital e no interior.

Durante o evento, Roseana entregou duas “ambulanchas” de emergência. São embarcações dotadas de UTIs, respirador e ressuscitador que serão usadas em Barreirinhas e pelo Corpo de Bombeiros, na Baía de São Marcos, em São Luís. Também foi entregue pela governadora o Hospital de Campanha. Esta unidade de atendimento será usada em regiões com grande número de vítimas de catástrofes ocasionadas por enchentes ou chuvas. São 12 leitos equipados com aparelhos para pronto atendimento.

A governadora conheceu ainda duas unidades móveis com aparelhos de tomografia e mamografia de última geração. Inicialmente, esse atendimento móvel será oferecido à população de São Luís e depois seguirá para as cidades sedes das regionais. A carreta do tomógrafo, com capacidade para mil exames por mês, está estacionada no Hospital Carlos Macieira. Já a carreta do mamógrafo, com capacidade para 500 exames mensais, fica no estacionamento da Maternidade Marly Sarney, na Cohab/Anil.

Fontes: Jornal O Estado do Maranhão e o jornalista Marco Deça.

A vergonha dos maranhenses que nos envergonham



Zeca Maranhão

       Quem participa de redes sociais como orkut, twitter, hi5, facebook e torce para os times do sudeste, já deve ter sentido uma forte pressão por parte de alguns conterrâneos para que valorize o nosso desprestigiado, diria até mesmo, quase inexistente,  futebol maranhense. 
Ao que parece, de repente o maranhense resolveu imitar o pernambucano e declarou guerra ao futebol sudestino. Esse movimento tem se intensificado e vem tomando força em outros estados nordestinos também.
Nada contra o  movimento, que acho até justo, apesar de não acreditar que, pelo menos a médio ou mesmo a longo prazo, ele fará melhorar  o nível do nosso futebol a ponto de um dia podermos  bater no peito e dizer que temos um time maranhense campeão brasileiro, ganhando em campo, no futebol,  não no WO ou no tapetão como aconteceu com o campeonato brasileiro de 87.
      A pergunta que faço é: Por que esse bairrismo repentino do maranhense se restringe apenas ao nosso futebol e não se expande também à nossa gloriosa cultura? Por que defendermos o nosso falido futebol e não defendermos também a nossa música, o nosso folclore e toda a nossa rica cultura, que convenhamos, tem muito mais valor e talentos?
Os mesmos maranhenses que tentam nos fazer sentir envergonhados por torcer para o futebol sudestino, são os mesmos que frequentam shows de duplas sertanejas do Goiás, shows de axé da Bahia e forró eletrônico do Ceará e que não compram sequer um único disco dos artistas maranhenses.  Não sabem uma toada nova, nem velha, dos grupos de bumba-meu-boi, ainda dizem que reggae, tambor de criola e bumba-meu-boi  é coisa de preto, pobre e que bom é só o que vem de fora.
Sabemos que há lugar para todos e que a diversidade cultural é benéfica,  mas não podemos deixar que a cultura alheia se sobreponha à nossa.
O argumento mais forte desses torcedopatas é que o maranhense sofreu "bullying" da Rede Globo e que ela faz lavagem cerebral no povo brasileiro há décadas, fazendo acreditar que futebol é o carioca, o resto é apenas degrau para eles subirem ao pódio.
Pode ser, mas será que esses indignados maranhenses não percebem que eles estão fazendo mais uma vez o jogo da Globo que faz o mesmo em relação à cultura, promovendo uma grande lavagem cerebral na população brasileira,  em programas de nível duvidoso como Faustão e nos enfiando goela abaixo, artistas com prazo de validade como algumas chorosas duplas sertanejas, certos cantores de axé e apelativas bandas de forró de quinta categoria, durante toda a programação e mais intensamente nos intervalos da mesma, como se esses artistas  fossem ícones da cultura brasileira  a ensinar como deve se comportar o povo brasileiro, como deve dançar e o que escutar?
O maranhense rico em festas e tradições, sempre foi formador de opinião, nunca se sujeitou a ser mero copiador da cultura alheia, infelizmente agora virou massa de manobra e também  atende ao comando da poderosa rede Globo, rebola com Leo Santana, chora com Luan Santana e depois vai para o estádio empunhando a bandeira de algum  time maranhense sem perceber que fora dos estádios ele empunha a bandeira do "Santana" Futebol Clube dos Manipulados.
A Globo sabe que uma mentira contada várias vezes termina virando verdade na cabeça dos incautos e incultos. Baseada nisso ela impõe lixo cultural ao povão que compra a ideia e os discos.
Água mole em pedra dura...
Não quero levantar a bandeira do ufanismo, mas por que sermos xenófobos apenas no futebol e não em relação ao amor à nossa cidade, às nossas tradições e aos nossos  costumes?
Esse mesmo torcedor tão orgulhoso do nosso futebol, é o mesmo que muitas vezes torce o nariz  para a nossa cidade, nossas conquistas e nossos valores culturais, simplesmente por questões políticas. Acredito que  o amor à nossa terra deva ser incondicional. Independe de quem a governa.
Deveriam repudiar veementemente  os maus políticos, xingá-los até, e nunca, mas nunca mesmo, fazer isso com a nossa terra, com a nossa cidade, ela não é a vilã, é a vítima.
Quando esse movimento e todo esse bairrismo se estender em defesa da cultura maranhense, da nossa cidade, do nosso estado, prometo fazer da camisa do Flamengo uma bela fantasia para brincar bumba-meu-boi. Depois, com ela, esfregar  o chão e lavar  a alma e o orgulho do povo maranhense, cantando: "Maranhão, meu tesouro, meu torrão..."

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Brasil devassado

 

Sem um satélite próprio, o País depende de estrangeiros para proteger suas riquezas, fluir informações militares e até controlar o tráfego aéreo

Claudio Dantas Sequeira

chamada.jpg
Apesar dos avanços e recuos, uma das prioridades do governo brasileiro é reaparelhar as Forças Armadas. Pelos planos, em breve o Brasil ganhará um submarino de propulsão nuclear para patrulhar a costa, em especial a região do pré-sal, um grupo de caças de quinta geração para proteger o espaço aéreo do país; e armamentos de última geração para equipar os soldados que monitoram a porosa fronteira brasileira. Como em qualquer país com um poderio militar moderno, o plano do governo prevê que toda a comunicação entre as três forças seja feita via satélite, permitindo a troca rápida e segura de informações. Na teoria, a estratégia de defesa brasileira parece não ter falhas graves e obedece aos procedimentos das melhores forças armadas do mundo. Na prática, no entanto, existe um nó difícil de ser desatado e que, em tese, compromete todo o investimento bilionário que o País se prepara para fazer.

Ao contrário das principais nações desenvolvidas e emergentes do mundo, o Brasil não tem controle nem ao menos sobre um dos quase mil satélites que estão em órbita no mundo hoje. A Índia, por exemplo, tem seis deles dedicados a ela e a China, outros 60. Hoje, todas as informações brasileiras que trafegam pelo espaço – sejam elas militares, governamentais ou de empresas privadas nacionais – passam por satélites privados, controlados por uma única empresa, a Star One, do bilionário mexicano Carlos Slim. Na prática, o Brasil é um simples locador de um retransmissor espacial que tem como função principal gerar lucros para o seu dono. Em uma situação de conflito, seja ele militar ou econômico, em última instância o locador tem o poder de simplesmente cortar o sinal do satélite, fazendo com que todo o moderno aparato militar que o País pretende adquirir se torne completamente inútil.

Desde que o Brasil perdeu o controle sobre seus satélites, com a privatização da Embratel em 1998, nenhum caso semelhante ocorreu. Mas o que preocupa especialistas brasileiros em segurança é a mera possibilidade de que isso venha a acontecer. “Não há como negar, é uma ameaça à segurança nacional”, diz o engenheiro José Bezerra Pessoa Filho, do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) e ex-diretor da Associação Aeroespacial Brasileira (AAB). Sua opinião é compartilhada por diversos analistas e autoridades. “São informações fundamentais para a proteção de milhares de pessoas”, afirma Thyrso Villela, diretor de Satélites, Aplicações e Desenvolvimento da Agência Espacial Brasileira (AEB).

A dependência a satélites estrangeiros não é um problema restrito à área militar. O governo também depende da boa vontade alheia, ao custo de vários milhões de dólares, para obter dados meteorológicos vitais para a prevenção de desastres naturais como enchentes, furacões e tempestades tropicais. Ficam ameaçadas também a transmissão de dados bancários e as comunicações sobre tráfego aéreo, que em poucos anos terá de ser feito via satélite, conforme determina o padrão internacional. Algumas vozes argumentam que os contratos comerciais firmados pelo governo com empresas de satélites, como a Star One que comprou a Embratel, contêm salvaguardas que garantem a prestação do serviço. Nesse sentido, o descumprimento das cláusulas contratuais prevê multas milionárias. No entanto, numa situação extrema, seja de guerra ou de catástrofe natural, quem vai pagar a fatura pela perda de vidas humanas? O histórico recomenda cautela.
img.jpg
FRUSTRAÇÃO
A base de Alcântara, no Maranhão, foi destruída após
tentativa de lançamento de foguete pelo governo brasileiro

Ao menos em duas ocasiões o Brasil sofreu os efeitos da dependência. Em 1982, durante a Guerra das Malvinas, um dos satélites meteorológicos que fornecia imagens para o governo foi reposicionado pelos Estados Unidos e deixou de fornecer informações sobre o clima em todo o Hemisfério Sul durante dois meses. Em 2005, por conta do furacão Katrina, os americanos precisaram usar toda a potência de varredura de seus satélites para rastrear o fenômeno, reduzindo a frequência das imagens da América do Sul e do Brasil. “Se fossemos atingidos naquela época por um evento da magnitude do ciclone Catarina, que varreu a região Sul em 2004, ficaríamos no escuro”, afirma Villela, da AEB.

A história de dependência começou com a privatização do sistema Telebrás, em 1998. A Embratel, que operava os satélites BrasilSat, passou às mãos da americana Verizon e depois da América Movil, do magnata mexicano Carlos Slim, dona da Star One. Embora fossem satélites comerciais, o governo brasileiro detinha dois transponders de banda X, exclusivos para comunicações militares, instalados nesses satélites. Com a privatização da estatal, todo o controle passou para as mãos privadas.

Há, logicamente, salvaguardas pelas quais a operação desses satélites é feita somente por brasileiros. Mas os militares não têm controle sobre esses equipamentos, não podem desligar o satélite ou mudar sua posição. “As salvaguardas servem para mitigar o problema da soberania”, reconhece o coronel da reserva Edwin Pinheiro da Costa, chefe da seção de Telemática do Ministério da Defesa e responsável pelo Sistema de Comunicações Militares (Siscomis). Vale lembrar que a Verizon foi arrolada nos EUA numa polêmica sobre fornecimento de dados telefônicos de seus clientes ao FBI e a agências de inteligência do governo.

Uma das diretrizes da Estratégia Nacional de Defesa (END) é o desenvolvimento do Satélite Geoestacionário Brasileiro, o SGB. Para tirar o projeto do papel é preciso empenho político e recursos financeiros. Uma das tentativas é construir um foguete próprio capaz de lançar o satélite brasileiro. As primeiras tentativas terminaram com a destruição da Base de Alcântara, no Maranhão, após a explosão de um protótipo. O mais próximo que o Brasil chegou para voltar a ter satélites próprios foi uma minuta de intenções para firmar uma parceria com a França. No entanto, as negociações para que o acordo saia estão paradas há dois anos. Enquanto isso, todo o sistema de comunicações do País continua nas mãos do bilionário Carlos Slim.
img1.jpg

Istoé N° Edição: 2166 | 13.Mai.11               

Espetáculos franceses misturam dança, circo e música no TAA


Em comemoração ao aniversário de 194 anos do Teatro Arthur Azevedo, São Luís vai receber os espetáculos “Out of Lines” e "Pequenas Peças" apresentado por malabaristas-dançarinos internacionais, da Companhia Sens Dessus – Dessous (França), nesta quarta-feira (01), no TAA. A dupla faz da corda o objeto central do espetáculo, brincando com a imaginação dos espectadores.

Com jeito de circo e magia do malabares, o espetáculo sugere “personagens-cordas”, que surpreendem com formas inesperadas e criam um universo de ilusão. O espetáculo começa às 20h e tem duração de 40 minutos. Antes, se apresentam Petites pièces (Pequenas Peças), espetáculo que dura apenas 5 minutos e misturam dança, ilusionismo e música.

A entrada é gratuita com retirada de ingresso na bilheteria do Teatro Arthur Azevedo uma hora antes do espetáculo (a partir das 19h). Mais informações pelo telefone (98) 3218-9900.

Oficina

Paralelamente, será realizado também uma oficina de formação às técnicas do novo circo, com a Cia Sens Dessus Dessous, na tarde do dia 31 de junho, no Teatro Arthur Azevedo, para malabaristas-dançarinos locais (SL) já especializados nessa disciplina. Corpo limitado a 20 pessoas. Para mais detalhes, entre em contato com o Teatro Arthur Azevedo: (98) 3218-9900.

ServiçoEspetáculos "Petites pièces" e "Out Of Lines"
Data: quarta-feira (01), às 20h
Local: Teatro Arthur Azevedo (Centro de São Luís)
Entrada gratuita. Produção: Aliança Francesa/MA

domingo, 29 de maio de 2011

Projeto de revegetação do Rio Preguiças será lançado

Projeto de revegetação do Rio Preguiças será lançado



O projeto Revegetação das Nascentes do Rio Preguiças, iniciativa do Instituto de Agronegócios do Maranhão (Inagro), será lançado terça-feira (31), às 10h, no salão de eventos da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (Fiema), em São Luís.

Com o patrocínio da Petrobras, por meio do Programa Petrobras Ambiental, o projeto vai criar condições de elevação do lençol freático, estancar o processo de degradação e assegurar a perenidade do Rio Preguiças, além de promover ações de educação e gestão ambientais.

O Inagro é a instituição responsável pela concepção e realização do projeto, que será desenvolvido nas nascentes do Rio Preguiças, na divisa dos municípios de Santana do Maranhão, Barreirinhas e Santa Quitéria.

Para a solenidade, terça-feira, estão convidados profissionais ligados à Educação Ambiental com foco na conservação de recursos naturais, especialmente, autoridades federais, estaduais e municipais, especialistas, professores e estudantes universitários, secretários de estado e municipais, políticos e a gestora do projeto Thais Dutra, responsável pelos Programas Ambientais da Petrobras no Rio de Janeiro.

De acordo com o coordenador do projeto, engenheiro Agrônomo Francisco Soares, serão desenvolvidas ações como: construção de um viveiro de mudas, produção de 43 mil mudas de espécies nativas, construção de oito quilômetros de cercas, plantio de 40 mil mudas em uma área de 35 hectares, realização de três treinamentos evidenciando a educação ambiental e dois seminários para divulgar o Projeto.

As espécies nativas a serem usadas na revegetação são arbóreas. “A área ficará sem a presença de animais domésticos e a vegetação herbácea cobrirá totalmente o solo, protegendo o mesmo contra a erosão”, afirmou Francisco Soares.

Durante a vigência do projeto, o Inagro manterá um técnico de nível médio, da área de ciências agrárias residindo na área das nascentes do Rio Preguiças para acompanhar a implantação as etapas das ações. O projeto contará com a parceria da Universidade Estadual do Maranhão (Uema) que disponibilizará os seus professores e pesquisadores para contribuírem com os seus conhecimentos no desenvolvimento sustentável das ações a serem realizadas.

Prefeitura limpa monumentos com equipamento especial de alta pressão



A Prefeitura de São Luís, por meio das secretarias municipais de Turismo (Setur) e de Obras e Serviços (Semosp), realizou esta semana, na Praça Benedito Leite, a primeira etapa da limpeza em pontos turísticos, utilizando um equipamento especial de lavagem em alta pressão hidrotérmica. A iniciativa é mais uma medida adotada pelo projeto de revitalização do Centro Histórico da capital, desenvolvido pela Prefeitura, por meio do projeto “Aliança pelo Centro Histórico”.
O secretário municipal de Turismo, Liviomar Macatrão, afirmou que a lavagem é apenas o início de uma série de intervenções do gênero, no centro histórico, e que alcançará praças, escadarias, ruas, casarões, entre outros prédios e monumentos. “Quem passar pela Praça Benedito Leite perceberá acentuada melhora e a população, que ama o Centro Histórico, assim como o turista, terá uma vista mais agradável deste monumento”, frisou Macatrão.
A Aliança pelo Centro Histórico tem o objetivo de implantar um sistema de gestão compartilhada (poderes público, privada e sociedade civil) para monitorar e realizar serviços urbanísticos, culturais, funcionais e sociais. Além da lavagem especial, outras ações agregarão ao projeto municipal, como iluminação artística de monumentos, apresentações culturais, limpeza periódica nas vias, disponibilização de lixeira e agentes de limpeza fixos nas 24 ruas do circuito, obras sociais e assistenciais.
O responsável pela empresa que faz a limpeza, Fábio Marques, explicou que a empresa atende todos os requisitos pra efetuar a atividade e exalta a capacidade do maquinário. “Trabalhamos com água quente, com produtos específicos para cada situação, com pressão entre mil e quatro mil libras, atendendo às normas do Iphan”, disse.
Esse mesmo equipamento utilizado em São Luís (máquinas da marca Kasher) já fizeram trabalhos similares no Cristo Redentor, Colunas de Roma e no Monte Rushmore, nos Estados Unidos, entre outros pontos turísticos mundiais.

O Centro Histórico tem 107 mil metros quadrados de área urbana tombada pelo Patrimônio Histórico Nacional, envolvendo cerca de 1.200 edificações, constituindo-se no mais extenso e valioso conjunto de arquitetura colonial portuguesa do século 19.
Ações – Existem outras ações da Setur produzidas especificamente para melhorar e movimentar o Centro Histórico, como o projeto “Cores de São Luís”, que já teve sua ordem de serviço assinada, visando à recuperação de todo o quadrilátero da Feira da Praia Grande, com pintura, recuperação da cobertura e das instalações elétricas e hidrossanitárias, melhorias de calçamento, iluminação cenográfica, exposição de placas de sinalização e posto de informações turísticas.

São Luís é o tema do samba-enredo da Escola de samba Beija-Flor em 2012


A escola de samba Beija-flor de Nilópolis desfila na Sapucaí, no Rio de Janeiro
Wilton Júnior/AE

Fonte: O Imparcial

São Luís – com sua história, suas lendas, suas artes – servirá de tema ao enredo da escola de samba Beija-Flor de Nilópolis, em 2012, ano do quarto centenário da cidade. A escola carioca, campeã do desfile do Rio de Janeiro neste ano, lançará oficialmente o enredo nesta quarta-feira (1), com a presença dos secretários de Estado da Cultura, do Turismo e de Comunicação do Maranhão. Os grupos folclóricos locais Boi Barrica e Boi Unidos de Santa Fé farão, respectivamente, a abertura e o encerramento do evento na quadra da Beija-Flor.

De acordo com Sérgio Macedo, titular da pasta de Comunicação do Estado do Maranhão, a aproximação entre a escola de samba e o secretariado maranhense se deu por intermédio de amigos da governadora Roseana Sarney, os quais, sendo próximos da diretoria da Beija-Flor, lhe transmitiram a informação de que a escola cogitava três possíveis temas para o próximo ano: Angola (país africano de língua portuguesa), Ceará e Maranhão. A conveniência publicitária, turística e cultural dos 400 anos de São Luís levaram a governadora a buscar aproximação com os carnavalescos, o que se deu por meio de Macedo, tendo contato direto com Luis Fernando do Carmo, o Laíla, diretor de carnaval da escola.

Em entrevista a O Imparcial, Laíla contou que seu interesse por São Luís vem de décadas atrás. “Em 1974, no Salgueiro, eu e Joãosinho Trinta havíamos feito um enredo que tinha São Luís como tema”, conta o carnavalesco, referindo-se a Rei de França na Ilha da Assombração, enredo campeão do carnaval carioca naquele ano. “Fiquei impressionado com a riqueza da cultura maranhense, que é algo desconhecido no resto do Brasil. Já era hora de fazermos esse enredo”, afirma.

Laíla esteve em São Luís duas vezes este ano: em março, para ter conversas preliminares com Sérgio Macedo, e neste mês, quando, acompanhado do carnavalesco Fran Sérgio e da pesquisadora Bianca Behrendes, reuniu-se com artistas, estudiosos e representantes de grupos folclóricos do Maranhão. A reunião se deu no Palácio dos Leões e durou cerca de uma hora. Ao longo dos quatro dias em que permaneceu aqui, a equipe percorreu pontos históricos da cidade, tendo como guia, na maior parte das vezes, o estilista Chico Coimbra.


‘Sem estímulo financeiro’, diz Macedo
O secretário de Estado de Comunicação, Sérgio Macedo, afirma que o governo não irá patrocinar o enredo da Beija-Flor. “Mesmo se fôssemos dar algum auxílio, seria um valor muito acima desses R$ 8 milhões”, afirma, contrariando a versão não oficial de que teria sido esse o valor pago à Beija-Flor. No entanto, a princípio a doação não fora descartada: ocorreu, apenas, que os orçamentos das secretarias de Cultura, Turismo e Comunicação já estavam fechados e, assim, não poderiam cobrir esse item. Em seguida, cogitou-se patrocínio por meio de convênio com parceiros do governo estadual, como o São Luís Convention Bureau, mas tal possibilidade mostrou-se igualmente inviável.

“Em termos do que o Maranhão ganha em divulgação de sua cultura, seria até justo pagar algo. Serão, de junho a fevereiro do próximo ano, nove meses de superexposição do nosso estado. Imagine o que será o turismo daqui no São João de 2012”, comenta o secretário. O diretor de carnaval da Beija-Flor, Laíla, também nega o auxílio. “Nós não temos patrocínio nenhum do estado do Maranhão e conseguiremos apoio de empresas privadas”, diz. Tais empresas seriam aquelas que, investindo no Maranhão, têm interesse na divulgação de sua imagem. O governo do Maranhão auxiliaria na mobilização do empresariado.

A São Luís da Beija-Flor

Três coroas lutam pelo desconhecido
De acordo com a sinopse do enredo apresentada ao governo do Maranhão, a Beija-Flor de Nilópolis irá enfatizar o processo inicial de colonização de São Luís, por um lado, e, por outro, a presença do negro na cultura maranhense, refazendo-lhe a história desde os navios negreiros. A escola descreve São Luís nos termos de algo “desconhecido disputado por três coroas”, em referência às nações portuguesa, francesa e espanhola. Essa mescla é que a escola pretende pôr na avenida, mas, segundo seus carnavalescos, sem “carnavalizar” a cultura maranhense, buscando mostrá-la íntegra, e não diluída em samba.

Homenageados
Como de praxe, a Beija-Flor irá homenagear personagens culturais que, expressivas, relacionem-se com o enredo. Assim, pelo menos sete maranhense já foram cogitados, sendo que dois deles seriam levados para a avenida: a cantora Alcione e o carnavalesco Joãosinho Trinta. Entre os falecidos, pensa-se recordar as obras do romancista Josué Montello e do compositor João do Vale. Haveria ainda reverências ao poeta Ferreira Gullar, ao músico e compositor Zeca Baleiro e a Mestre Apolônio, do Boi de Floresta. Embora ainda sem confirmação, é provável que o Boi Unidos de Santa Fé esteja entre os homenageados.

Uma ala para o boi

Inevitavelmente, o bumba meu boi receberá destaque no desfile da Beija-Flor. Dado o compromisso de ser fiel às tradições maranhenses, a escola não pretende desenvolver coreografias com base na dança junina, mas, sim, levar um grupo de bumba meu boi maranhense para dentro da avenida. A ideia inicial é a de que uma ala da escola seja inteiramente composta por um batalhão original de brincantes. A isso, soma-se a iniciativa de instalar dois barracões da escola em São Luís, possivelmente no Bairro de Fátima, para que neles sejam produzidas fantasias com acompanhamento direto de bordadeiras, estilistas e folcloristas locais.

sábado, 28 de maio de 2011

4º Líder Nordeste reunirá jovens empreendedores esta semana em São Luís

4º Líder Nordeste reunirá jovens empreendedores esta semana em São Luís




Para estimular o jovem empreendedor e promover a troca de experiências e possibilitar futuros negócios, São Luís sediará nos dias 1, 2 e 3 de junho, no Hotel Luzeiros, a quarta edição do Líder Nordeste, que terá como tema "Empreendedorismo 2.0: o empreendedor sustentável".

"A sustentabilidade não é somente um conceito deslocado, deve ser encarada como uma prática fundamental dos negócios como forma de manter como prioridade a preocupação com o meio ambiente", explicou um dos organizadores e presidente da Associação de Jovens Empresários do Maranhão (AJE/MA), Rafael Sombra.

O evento pela primeira vez será realizado na capital maranhense e, segundo Rafael Sombra, é o casamento perfeito com o crescimento do estado. "O empreendedorismo já não é mais uma competência exigida apenas no mundo dos negócios", destacou. Segundo ele, na atualidade, percebe-se que os valores empreendedores - como iniciativa, comprometimento, metas, planejamento, relacionamento, aprendizagem contínua, persistência, criatividade e inovação - são pilares importantes em outros setores. "São valores que devem estar presentes na pesquisa científica, no estudo escolar e universitário, na política, no voluntariado, na comunicação, no esporte, no serviço público, no chão de fábrica, enfim, em todos os segmentos da atividade humana", completou o empresário.


AJE - Para a edição 2011, a AJE/MA assumiu o compromisso de realizar o evento, com alto nível de estrutura, e uma vasta programação: com palestras de gestores e especialistas experientes de renome regional e nacional, oficinas, exposições e momentos de networking, confrontando jovens empreendedores e futuros líderes com as tendências e diversas perspectivas do mercado.

Estima-se a presença de mais de 1.000 pessoas durante os três dias. Uma das palestras mais aguardadas é a do prefeito de Rio do Sul (SC), Milton Hobus, com o tema "Caso de sucesso especial: líder político empreendedor".

Também já está confirmada a mesa-redonda "Empreendedorismo Sustentável" com Nílson Ferraz, diretor de operações da Alumar, e a palestra "O Líder Dos Novos Tempos" com o sócio-diretor do Instituto de Coaching Aplicado (ICA), Goiânia (GO), Alexandre Prates, que também vai lançar o livro "A Reinvenção do Profissional".

- O Líder Nordeste surgiu no Ceará no ano de 2008 com o objetivo de reunir jovens empresários de toda a região e mostrar as potencialidades daquele estado. É um evento de grande expressão no meio empreendedor, reunindo futuros líderes e capacitando-os a assumir novos desafios.

- O evento, que pela primeira vez será sediado em São Luís, receberá jovens empresários, executivos e autônomos de todos os segmentos; estudantes de graduação e pós-graduação; entidades e especialistas relacionados ao Empreendedorismo; membros dos Governos Estadual e Municipais; instituições de ensino; jovens lideranças públicas e da sociedade civil e caravanas de empreendedores dos nove estados nordestinos e todo o Brasil.

- A programação do evento está disponível no endereço: www.ajema.com.br/lidernordeste2011

- A inscrição só é feita pelo endereço acima.